Rita Lee encerra show na Virada Cultural com discurso sério e grandes sucessos




“São Paulo leva o país nas costas e mesmo assim está abandonada”, disse ela no show




Rita Lee encerrou por volta das 19h10 deste sábado (16) o seu show na Virada Cultural de São Paulo. A apresentação, no palco montado na praça Júlio Prestes, foi a grande abertura do projeto, que conta com 24 horas de eventos culturais gratuitos acontecendo pela cidade.


Rita Lee faz show de abertura da Virada Cultural de SP


A cantora subiu ao palco às 18h10, ao som de Agora Só Falta Você e sob muitos gritos do público que já a aguardava por lá. Quietinha, Rita só foi falar com sua platéia após a segunda música. Mas mandou logo uma frase de bastante impacto para a galera.


- O Rock in Rio perto da Virada Cultural é um cemitério musical.


Logo depois, Rita se apresentou – do jeitinho dela, claro – para o povo que lotava o local.


- Esqueci de me apresentar. Eu sou a irmã gêmea do Ozzy Osbourne.


Rita subiu ao palco acompanhada por uma banda formada apenas por pessoas de sua família – incluindo Beto Lee, seu filho, que tocou guitarra durante o espetáculo.


O show foi marcado por grandes sucessos da cantora paulistana. Ela interpretou Saúde, Ti Ti Ti, Banho de Espuma, Chega Mais, Lança-Perfume, entre outras.


A surpresa da noite foi quando ela anunciou a entrada de alguém que havia “ressuscitado só para estar ali” no show. Foi aí que subiu ao palco um cover de Michael Jackson, que cantou Bad e contou com Rita Lee como sua backing vocal.


A música Doce Vampiro foi uma das que mais entusiasmaram o público que estava ali na praça prestigiando a apresentação. Ovelha Negra também levantou o pessoal, especialmente quando Rita começou a discursar ao som da famosa melodia.


- São Paulo é a ovelha negra do Brasil. Entra governador e sai governador, entra prefeito e sai prefeito, e eles não fazem p… nenhuma. São Paulo leva o país nas costas e mesmo assim está abandonada.


Rita lembrou seus fãs de que São Paulo é o maior colégio eleitoral do Brasil e pediu que todos que estivessem tivessem mais cuidado ao escolherem seus representantes – citando Jair Bolsonaro como um dos maus exemplos que temos no poder, mas que foi eleito pelo povo.


A platéia, é claro, foi ao delírio ao ouvir as palavras da musa.


Outro bom momento do show foi quando Rita subiu ao palco com uma cobra de pano enrolada no pescoço e um chapéu com chifrinhos, pronta para cantar Erva Venenosa. Ela arrancou risadas da galera.


Rita encerrou o show após uma hora de duração, com a música Escurinho do Cinema. Ela disse ao público que nasceu em São Paulo, vive aqui há 65 anos e não deixa a cidade porque é viciada na poluição e no cheiro de m… do rio Tietê.


Nenhum incidente foi relatado pela Polícia Militar durante a apresentação.




Matéria publicada no portal R7 dia 16/04/2011.

Escreva um comentário